O que o Fisioterapeuta pode fazer por si, na área da Neurologia

O fisioterapeuta actua na área de Neurologia, intervindo nas seguintes patologias/lesões/sintomas:

A) Afecções do Sistema Nervoso Central: Parkinson, Paraplegias e Paraparesias, Tetraplegias, Spina bifida, Esclerose múltipla, Esclerose lateral amiotrófica, Síndrome de Charcot-Marie-Tooth, Hemiplegia (A.V.C., Traumatismos cranianos, etc),…;

B) Afecções neurológicas periféricas: Poliomielite anterior aguda, lesões do plexo braquial, paralia facial, paralisia do nervo crural, do nervo ciático poplíteo externo ou interno, do tronco do ciático, do subescapular, do circunflexo, do grande dentado, do nervo musculocutâneo, do tronco do membro superior (nervo radial, cubital e mediano), neuropatias isquémicas e bacterianas, …;

C) Acometimentos diversos: joelho, pé, ombro, cotovelo, mão e tronco paralítico, pé espástico, distúrbios de sensibilidade, cefaléias, …;

 

Entorse & Lesão ligamentar

É frequente ver o termo entorse ser aplicado a um tipo de lesão que se caracteriza pela ruptura, estiramento ou alongamento excessivo de um ou vários ligamentos articulares. No entanto, o entorse é apenas o mecanismo (isto é, o tipo de movimento) que provoca a lesão ligamentar. Pode ocorrer em qualquer estrutura articular, sendo que as lesões mais comuns são nos membros inferiores (joelho, tornozelo,…), quando as articulações são submetidas a gestos que as fazem ultrapassar a sua amplitude normal.

A lesão ligamentar pode ser ligeira, moderada ou grave, de acordo com o tipo de entorse. Consoante esta classificação, os sintomas variam de dor ligeira e sem grande dificuldades em andar, até dor intensa, acompanhada de edema (inchaço), derrame, incapacidade ou dificuldade em realizar movimentos ou mesmo um aumento excessivo da mobilidade articular (se a lesão for de ruptura total dos ligamentos).

Caso se trate de uma lesão grave, a situação pode requerer cirurgia. Em casos ligeiros e moderados, a ordem é de repouso selectivo e diminuição dos efeitos inflamatórios, na fase inicial (primeiros 3 a 5 dias).

Logo durante este período, deve procurar fazer Fisioterapia, pois necessitará de levar a cabo uma reabilitação física baseada na diminuição dos sintomas e da incapacidade, assim como na promoção das melhores condições para a formação de novas fibras ligamentares e no fortalecimento muscular para garantir a estabilidade da articulação.

É importante perceber que só com ajuda especializada poderá acelerar a recuperação, assim como evitar futuras lesões, uma vez que uma lesão mal tratada, trará maior propensão a sofrer novos e mais graves episódios de entorse.

Tendinite

Tendinite é o nome utilizado para classificar a inflamação de um tendão ou da sua bainha envolvente. As mais comuns são a tendinite da coifa dos rotadores (ombro), epicondilite (cotovelo), tendinite do punho, tendinite aquiliana (tornozelo) e a tendinite rotuliana (joelho).

Os sintomas podem variar de dor e rigidez local, a uma sensação de queimadura em torno da articulação afectada pela inflamação do tendão. Algumas pessoas apresentam ainda edema (aumento de volume – inchaço), associado a um aumento da temperatura local e a eritema (vermelhidão). Quando prolongada no tempo, uma tendinite pode desencadear outros tipos de lesões, como a ruptura total do tendão, e ainda microlesões nas estruturas que rodeiam o tendão.

 Normalmente, uma tendinite piora depois de realizar esforços excessivos, movimentos repetitivos e más posturas, sendo que é comum surgir rigidez muscular em resposta à “agressão” que o tendão sofreu nessas actividades.

 Quando esta condição limita as tarefas diárias, perturba o sono e põe em risco o desempenho profissional, significa que a lesão evoluiu negativamente e o prognóstico de tratamento é mais reservado.

 A Fisioterapia é a solução para lhe promover mais conforto e saúde, uma vez que não só aborda as alterações químicas (decorrentes da inflamação), utilizando meios electrofísicos, como também reeduca o comportamento mecânico do tendão, aliviando o stress a que este é submetido durante o movimento. Deste modo, poderá obter uma acção dupla: tratar o sintoma e tratar a causa!

 Saiba que, se não tratar a tendinite a tempo, está a fomentar uma condição crónica, que tende a piorar ao longo da vida. É que os anti-inflamatórios só lhe aliviam a dor, a causa continuará…

Cadeias Musculares

10628051_551538688311393_2995796568553014192_n

As Cadeias Musculares baseam-se em três princípios: equilíbrio, economia e conforto. Leopold Busquet (França) aproveitou os ensinamentos da Dra Françoise Mézières para criar o método Cadeias Musculares.

As cadeias musculares representam circuitos anatómicos através dos quais se propagam forças organizadas do corpo. A técnica permite compreender melhor a lógica das disfunções e a origem das dores e deformidades. Visa libertar bloqueios articulares, aderências, contracturas musculares e encurtamentos neurais. Procura também reequilibrar as tensões internas através de manobras viscerais.

O exame ao paciente é muito aprofundado, sendo feita não só da cabeça aos pés, mas igualmente à superfície (a pele) e profundidade por uma palpação minuciosa e testes de mobilidade. Para além de uma avaliação precisa, a originalidade deste exame será colocar em evidência a lógica das deformidades ou das disfunções. Na realidade são respostas inconscientes mas coerente e inteligente do paciente para um problema físico ou psicológico.

O tratamento é analítico (liberação de zonas chaves) e global para re-harmonizar a fisiologia das cadeias musculares.

As técnicas utilizadas são essencialmente técnicas de relaxamento e alongamentos completadas por outras técnicas de terapia manual. O Nosso objectivo sobre o plano muscular, articular, visceral e craniano é unicamente de recriar um equilíbrio de tensões para que a fisiologia seja respeitada.

São utilizadas manipulações osteopáticas, técnicas de estiramento, mobilização neural e técnicas reflexas do tecido conjuntivo para reequilibrar o local afectado. Por fim, são empregadas posturas globais para harmonizar a fisiologia muscular.

 

Este método é indicado a uma grande variedade de pessoas:

·         Recém-nascidos após pressão do parto;

·         Crianças e adolescentes que apresentam deformidades (pés, joelhos, escolioses, dores e alterações de crescimento, desequilíbrio crânio-mandibulares).

·         Atletas para melhorar os gestos desportivos e performance de seu aparelho locomotor;

·         Pessoas activas e sedentárias, idosas afim de prevenir ou atenuar as disfunções físicas, orgânicas assim como os efeitos de processo degenerativos como a artrose, etc.