Fisioterapia durante a Pandemia Covid19

IMG_20200504_174951_040

Reabrimos! Cientes da situação actual, garantimos o atendimento de forma segura e cumprindo as diretrizes. Deste modo, os nossos pacientes deverão garantir alguns aspectos para poder ser atendidos:
– caso tenha sintomas como febre, dificuldade respiratória, tosse ou outros compatíveis com doença aguda, cancele o tratamento.
– seja pontual. Estamos em condições de não ter pacientes a cruzarem-se no nosso espaço, com intervalo entre sessões que garantam a higienização necessária. Caso se atrase, será dada apenas uma tolerância de 10min e, passada esta, será cobrado o valor integral da sessão. Compreenda que agora, mais do que nunca, devemos ser responsáveis uns pelos outros.
– traga máscara para seu uso pessoal.
– não deverá vir acompanhado de outras pessoas nem de sacos do exterior.
– evite o mais possível usar adornos como fios, anéis ou brincos.
– priveligiamos o pagamento por transferência bancária, se pagar em dinheiro traga a quantia certa.
– à entrada ser-lhe-á pedido que desinfecte as suas mãos e se dirija de imediato ao gabinete onde será atendido. Aí permanecerá até ao final do tratamento, onde deverá pagar e reagendar o próximo tratamento, se for o caso. Evite deambular pelo espaço.
– todo o equipamento de proteção individual que utilizarmos será da nossa responsabilidade, a LisboaPhysio assumirá essa despesa. Seja responsável e não se esqueça também da sua máscara…

Seja consciente e evite saídas desnecessárias!
#lisboaphysio #epi #fisioterapia

Reforço Muscular para “tratar” dor!

11825139_979389998779989_186188653582839351_n

É muito frequente, e até por aconselhamento médico, chegar-nos alguém a fazer o seguinte comentário: “Eu sofro da coluna, preciso de fazer um reforço muscular!”

No exame a estes pacientes, que muitas vezes são atletas, encontramos os músculos paravertebrais contracturados, porque não param de fazer o seu trabalho. Quando um músculo não pára de trabalhar, onde existe uma contração muscular constante, ele cria fibrose e vai achatar-se, para ser transformado em estruturas rígidas que respondem melhor a este trabalho constante. Para tratar estes músculos é necessário retirar as causas que provocam essa tensão muscular. Em 2º lugar, é necessário devolver o comprimento a tais cadeias musculares a fim de “desparasitá-las” das forças que estão a ser impressas sobre a coluna. É importante para o músculo conservar a sua capacidade de contração e a sua capacidade de alongamento (o músculo é um elástico vivo). Da alternância dos dois participam a qualidade e o volume do músculo. Em 3º lugar, é necessário devolver o ritmo à musculatura paravertebral para que ela tenha uma boa proprioceptividade na estática e na dinâmica (quando estamos parados e quando estamos a movimentar-nos). Este trabalho não deve ser descurado. As posturas de alongamento e as técnicas de inibição permitem devolver um bom equilíbrio muscular, mas é necessário que a musculatura profunda encontre a sua verdadeira vocação: cada fascículo monoarticular deve encontrar a mesma independência, ou seja o mesmo desembaraço que “os dedos de um pianista sobre o teclado vertebral”.
As mãos de um pianista não são feitas para transportar um piano, assim como os músculos paravertebrais não são feitos para movimentar a coluna mas sim para corrigir constantemente e reequilibrar os deslocamentos vertebrais. É assim muito importante compreender que esta musculatura deve estar devidamente relaxada enquanto os músculos do plano médio e superficial fazem os movimentos. Os músculos paravertebrais estão atentos e tem como objectivo corrigir os movimentos e o equilíbrio. A sua função é qualitativa e não quantitativa. A musculação não é para eles, não tenham jamais a triste ideia de dizer a um pianista para fazer musculação para as mãos.